terça-feira, 3 de janeiro de 2017

Rosalba denuncia gestão da saúde em Mossoró

Como primeira ação concreta após empossar os secretários municipais na manhã desta segunda, 02, a prefeita Rosalba Ciarlini fez uma visita às instalações da Secretaria Municipal de Saúde, que está localizada no Centro Administrativo Alcides Belo. Em viagem à Brasília após a campanha que a elegeu prefeita do município em outubro do ano passado, Rosalba pôde constatar que Mossoró deixa de arrecadar recursos para a pasta por falta de informações ao Ministério da Saúde. Na Secretaria Municipal de Saúde, a prefeita encontrou dados desatualizados desde abril de 2016.
“Recebemos Mossoró em uma época de crise administrativa, mas a minha maior preocupação é a Saúde. Queremos garantir à população pelo menos o necessário e espero que isto seja feito em tempo hábil. Trabalhei 40 anos da minha vida como profissional de saúde e sei da responsabilidade que tenho. Sei que a população acredita em mim”, disse Rosalba Ciarlini.
A expectativa da prefeita de Mossoró era de que o primeiro dia de governo fosse para tomar providências quanto à administração pública, mas como não houve uma transição informativa de governos, Rosalba começou a gestão colhendo dados sobre a situação atual do município, começando pela Secretaria de Saúde. “Já fomos o 13º município em atendimento de saúde no Brasil. As campanhas funcionavam durante o ano todo. Temos que recuperar esse tempo e melhorar, colocando a assistência básica como alicerce”, continuou.
Entre os problemas encontrados na Secretaria de Saúde está o funcionamento dos transportes. Dentre os veículos, a maioria está parada, inclusive carros locados.
Outra constatação: aparelhos para coleta de dados doados pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (IBGE) em 2012, para o auxílio do trabalho dos agentes de endemias, estavam encaixotados no almoxarifado, sem utilidade.
O secretário Benjamim Bento destacou que é hora de arregaçar as mangas pela melhoria da qualidade assistencial. “As pessoas estão procurando o Hospital Tarcísio Maia por falta de uma medicação básica na Unidade de Saúde ou de Pronto Atendimento do seu bairro. Isso acarreta problemas maiores”, destacou.
Política em Foco

CLICK NA SETA AO LADO E VEJA AS POSTAGENS ANTERIORES

© Zona Fashion
Maira Gall