quinta-feira, 6 de abril de 2017

Especialistas contestam óleo de coco e apontam riscos à saúde

Queridinho de muitas celebridades, o óleo de coco acabou se tornando uma febre entre as pessoas que buscam o emagrecimento. Mas o mocinho acabou virando um vilão da saúde, de acordo com uma publicação oficial da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran). 
Segundo o órgão, quando o óleo de coco é comparado a óleos vegetais menos ricos em ácido graxo saturado, um estudo mostrou que ele aumenta o colesterol total, o que contribui para um maior risco cardiovascular. 
A Abran destacou que foi passado para os consumidores que o óleo de coco possui atividade antibacteriana, antifúngica, antiviral e possui substâncias que atuam no sistema imunológico, porém esses estudos são experimentais e não há estudos clínicos demonstrando esse efeito. Assim, segundo a associação, faltam evidências suficientes para recomendar o óleo de coco como agente antimicrobiano ou imunomodulador, que inibe ou estimula as reações imunológicas.
Recomendações 
A Abran recomenda que o óleo de coco:
 - não deve ser prescrito na prevenção ou no tratamento da obesidade;
- não deve ser prescrito na prevenção ou no tratamento de doenças neuro-degenerativas;
- não deve ser prescrito como nutriente antimicrobiano;
- não deve ser prescrito como imunomodulador.

CLICK NA SETA AO LADO E VEJA AS POSTAGENS ANTERIORES

© Zona Fashion
Maira Gall