Coluna Brazilicana com Naiara Cooney




Bolsonaro é "uma ameaça à democracia", diz famosa revista inglesa The Economist


A tendência de crescimento de Jair Bolsonaro (PSL) nas pesquisas para candidato a presidente é "perigosa". A opinião é da publicação inglesa The Economist, de perfil conhecidamente liberal, a qual avaliou ainda que um possível governo de Bolsonaro (extrema-direita) seria "desastroso" ao Brasil. 
A matéria de título "Brasília, we have a problem" ("Brasília, temos um problema", em inglês) foi publicada no dia 11 de agosto. Há nela, resumo do cenário eleitoral, com apresentação da condição de Lula (preso após condenação em segunda instância) e defesas de aliados. São apresentados ainda os problemas brasileiros relacionados à segurança pública, economia, justiça, dentre outros.
  
Maior ainda é a análise sobre Bolsonaro. Um "atirador de fogo de direita" que se pôs à frente do ranking com "predominância na mídia social e provocações ultrajantes". Declarações homofóbicas, violentas, racistas e machistas foram elencadas aos leitores ingleses.
 
 
"Mesmo que ele não ganhe, o fato de ter chegado tão longe mostra que o centro da política está desmoronando. Rejeitar Bolsonaro seria a melhor maneira de reforçá-lo", diz a publicação. Para a revista, o candidato é alguém que até recentemente era um parlamentar obscuro, que tinha como principal habilidade a de ofender os outros.
  
"Sua retórica mostra que ele não tem respeito suficiente com muitos brasileiros, incluindo gays e negros, para governar de forma justa", diz o texto. São expostos ainda o pouco conhecimento do candidato do PSL sobre economia e a defesa dele à ditadura e ao poder militar, tendo o general da reserva Hamilton Mourão como candidato a vice.
  
Por fim, o texto mostra as taxas de rejeição a Bolsonaro superiores a 60% e diz que ele não tem apoio de nenhum partido político forte. Se chegar ao segundo turno, as chances são de que os eleitores escolham com relutância uma alternativa, como Geraldo Alckmin. "Ele nem mesmo merece chegar tão longe".