Após a cantora drag Pabllo Vittar desvincular sua imagem de marca que apoia o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL), a loja anunciou promoção com descontos de 17%. O valor da porcentagem escolhido faz alusão ao número do partido do deputado federal. Pabllo explicou em suas redes sociais que não irá aliar seu trabalho a discurso que “desrespeita direitos humanos”.
Em resposta ao cancelamento da parceria por parte da cantora, o proprietário da loja lançou nota reiterando o apoio ao candidato do PSL. Ele afirma que a campanha “Shinning”, a qual Pabllo participou, teve o objetivo de lutar contra preconceitos. Segundo Victor, isso não mudará com seu apoio a Bolsonaro. A marca foi acusada de oportunismo, já que vende sapatos para o público LGBT e apoia candidato que já fez declarações homofóbicas publicamente.
Em stories no perfil do Instagram da marca, um gráfico foi publicado mostrando que o número de acessos da loja aumentou. O post afirma que a “tentativa de boicote da esquerda” para que eles declarassem falência não irá funcionar. Hashtags com os dizeres “direita unida” foram usadas. 
Bolsonaro respondeu à postagem da marca com mensagem de apoio e desejou boas vendas. Outros ativistas pelos direitos LGBT, como a youtuber e drag queen Lorelay Fox, também comentou sobre o caso. “Fiquem de olho que muita marca deve usar a gente assim, amigos!”. Ela afirmou que o discurso da loja é incoerente e pediu cuidado com “falsos aliados” do movimento. 
fonte: opovo