A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) quer saber das distribuidoras por que os preços dos combustíveis não caem nas bombas na mesma proporção que nas refinarias da Petrobrás. Pelas contas da agência reguladora, o litro da gasolina vendido pela estatal ficou R$ 0,51 mais barato nos últimos dois meses, mas as distribuidoras só repassaram R$ 0,26 dessa queda e, para os motoristas, a redução não passou de R$ 0,10.

Com o argumento de que faz parte das suas atribuições zelar pelo consumidor, a agência reguladora, em nota, informou que "tem adotado várias medidas para dar mais transparência à formação de preços e solicitado informações dos agentes periodicamente". As distribuidoras terão 15 dias para apresentar explicação. Segundo a ANP, "foi observada a redução significativa de preços da gasolina pela Petrobrás sem que essa decisão tenha chegado ao consumidor final". 

A Plural, que representa grandes distribuidoras - como BR, Ipiranga e Raízen, parceria da Shell com a Cosan -, respondeu com perplexidade ao questionamento da ANP. "Os preços dos combustíveis são ditados pelo mercado, que é livre. Quem forma preço é o mercado.