O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN) deu início, na segunda-feira,  21, a digitalização de processos físicos ativos no 2º grau. A medida é a primeira etapa para a realização da meta estabelecida pelo presidente do TJRN, o desembargador João Rebouças, em sua posse: a digitalização de todo o acervo físico até o fim de 2019.
“É um planejamento nosso de servir bem a população. Nós conversamos com a Secretaria Judiciária e com a Secretaria de Tecnologia da Informação, agora estamos aqui iniciando com a ajuda de todos esse processo de digitalização e doravante os processos físicos, não sobem mais para o 2º grau e quando forem julgados aqui já voltam para as comarcas de origem digitalizados”, comentou o presidente durante à visita realizada à Secretaria Judiciária, no fim da tarde da segunda-feira.
A secretária Judiciária, Walteíze Barbosa, explicou que atualmente existem cerca de 400 processos físicos prontos para julgamento que chegaram ao 2º grau entre dezembro de 2018 e janeiro deste ano, esses processos serão os primeiros a passarem pela digitalização.
“Vamos começar a digitalizar os 400 processos que subiram em grau de recurso para cá entre dezembro e janeiro. Desde a quinta feira (17) não distribuímos mais processos, para começar essa digitalização e fazer a maior baixa até fevereiro”, ressaltou.